*Por Karen Andrade

Se fizermos uma reflexão sobre o desenvolvimento das tecnologias nos últimos anos, podemos elaborar uma lista interminável de invenções e inovações fantásticas. Se formos além e refletirmos como cada vez mais essas tecnologias estão inseridas em nosso dia a dia, teremos uma lista imensa de possibilidades. Mas como podemos, de fato, usar as Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDICs) a favor do ensino-aprendizagem?

Segundo a UNESCO, “alunos e professores devem usar a tecnologia de forma efetiva, pois em um ambiente educacional qualificado, a tecnologia pode permitir que os alunos se tornem usuários qualificados das tecnologias da informação; pessoas que buscam, analisam e avaliam a informação; solucionadores de problemas e tomadores de decisões; usuários criativos e efetivos de ferramentas de produtividade; comunicadores, colaboradores, editores e produtores; cidadãos informados, responsáveis e que oferecem contribuições”.

Desta forma, devemos ter uma postura crítica em relação ao emprego de recursos digitais às atividades propostas aos alunos, pois eles precisam estar inseridos no contexto de organização da turma. O uso das TDICs para fomentar a aprendizagem deve ser selecionado e planejado de forma que a atividade seja coerente com o aluno/turma, a fim de não se perder os fins pedagógicos e o foco principal, bem como o conteúdo que deseja ser trabalhado, seja tecnológico ou curricular, e as habilidades a serem desenvolvidas.

Uma dica é organizar o “ambiente pessoal de aprendizagem” (PLE – Personal Learning Environments) onde cada aluno lista os recursos que utiliza para as ações de comunicar, pesquisar, publicar, organizar e criar. Após esse levantamento, é possível planejar como será a dinâmica de ensino-aprendizagem, com foco nos recursos, interação e colaboração para as atividades. Essa organização também pode ser feita por você, educador!

A Planneta oferece o programa de Tecnologias Educacionais e Formação de Educadores voltado ao uso da tecnologia além da sala de aula, assim como apresenta uma proposta focada na utilização de recursos digitais integrados a conteúdos pedagógicos, promovendo a valorização das múltiplas fontes de informação; o incentivo à aprendizagem baseada em projetos; o engajamento e a participação efetiva dos alunos; e a motivação para uma aprendizagem colaborativa.

*Karen Andrade é Consultora em Tecnologia Educacional da Planneta, empresa do grupo Vitae Brasil (www.vitaebrasil.com.br); graduada em Processamento de Dados, pós-graduada em Computação Aplicada e pós-graduanda em Educação e Tecnologia pela Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, com experiência em trabalhos relacionados à Educação e Tecnologia Educacional. Contato: karen.andrade@vitaebrasil.com.br.